segunda-feira, 26 de setembro de 2011

DESESTABILIZAÇÃO X EQUILIBRIO (de ValériaC)

A vida é nossa grande mestra, especialista em não deixar ninguém estacionado; nela estão presentes desde os melhores acontecimentos e alegrias, assim como, problemas, obstáculos, as tais “pedras em nossos sapatos”, para que a tudo enfrentemos e consequentemente, superemos, mas, quanto os tornamos em amargores em nossas vidas.

Geralmente muito lamentamos por estes últimos e vamos convir que a maior parte destes problemas, nem são tão grandes assim (ainda bem), mas é impressionante como damos um poder tão grande à estas situações, o que acaba por nos desestabilizar e basta algo pequeninho nos incomodar e acabamos com o nosso dia, afetando nosso emocional, deixando-nos mal humorados, tristes ou extremamente preocupados.

Nos colocamos na corda bamba da vida, correndo atrás do prejuízo, nos esforçando a nos dar equilíbrio, mas quão frágeis acabamos nos mostrando até diante de bobagens.

É preciso que paremos de colocar tanta dramaticidade na vida, claro que às vezes, problemas mais sérios nos acometem e precisamos enfrenta-los da melhor maneira que pudermos, mas se pararmos para observar bem, muitos dos demais são situações em que colocamos muito mais importância do que deveríamos. Então, vamos analisar sensatamente o que nos ocorre e assim nos sobrecarregaremos menos.

Afinal, é natural que nenhum dia seja igual ao outro, precisamos nos exercitar a tirar dele as melhores experiências, percebendo os “obstáculos ou problemas” como lições a serem aprendidas, pois, quando assim agimos, passamos por eles sem nos desestabilizar tanto e conseguimos viver a vida com mais equilíbrio, nos poupando energias que podemos dirigir a nos fazer mais realizados, com mais leveza e felizes.

Vamos desarmar estes pequenos contratempos que nos acometem, levando a vida com responsabilidade sim, mas, menos à serio, vamos aprender a colocar mais alegria e mais serenidade em nosso viver, entendendo que para tudo há seu tempo e uma solução na vida, com toda certeza.

Isso é ter fé no processo da Vida, que além de Mestra, sempre dá um jeito de nos amparar enquanto seguimos nossos caminhos por ela.

Texto de: ValériaC

Imagem: daqui

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

AVISO...

Meus queridos(as), estarei longe por alguns dias. Levo cada um de vocês em meu coração.

Volto assim que for possível... fiquem na Paz...ótima semana...beijos

Valéria

Imagem: daqui

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

COBRANÇAS (de ValériaC)

Quem de nós nunca ouviu este tipo de pergunta:

Está namorando? Quando vão casar? E agora, quando vão ter um filho? Dali a pouco...precisa arrumar um irmãozinho... cobranças e mais cobranças de todos os tipos. Não sei se é por falta de assunto ou porque no fundo a maioria das pessoas pensa que todos devam ter comportamentos iguais, de massa, pois consideram que uma vez que a maioria vive desta maneira, deve ser o certo a ser seguido. Isto tudo está tão arraigado em nosso cotidiano, que muitos nem se dão conta de que no fundo estão cobrando uns aos outros.

Quando será que vamos entender que cada um tem o direito de escolher o que quer para si, sem ter que ser ou fazer igual aos demais. É normal e válido, o caminho que se queira seguir é direito e escolha de cada um.

Aceitação e respeito devem estar na ordem do dia. Afinal, ninguém tem que ser igual a ninguém, nem tão pouco seguir o que a maioria faz. Temos que nos libertar destas ideias limitadoras e definitivamente entendermos que o mundo caminha para uma abertura de consciência, onde infinitas são as possibilidades em todos os âmbitos da vida.

Permitirmos aos outros que sejam livres, é nos permitir exatamente o mesmo. Ao contrário do que se imagina, pode ser ótimo para todos.

Que ninguém siga um caminho porque todos seguem, mas sigam sim, os caminhos que lhes ditam seus corações e que os faça sentirem-se felizes.

Texto de: ValériaC

Imagem: daqui

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

TEMPO... (de ValériaC)

É interessante o modo como utilizamos o nosso tempo. Para alguns o tempo voa, para outros é moroso demais, os dias são intermináveis. De qualquer forma, somos nós quem escolhemos como vamos passar nosso tempo.

De uma coisa podemos ter certeza, nosso tempo nunca será perdido se:

Quando falarmos, ao invés de usar nossas palavras para criticar, fazer maledicências e fofocas, nós as usarmos com assuntos edificantes, onde haja simpatia, cordialidade, empatia, bondade...

Quando ao invés de fazer nossos serviços, sejam eles domésticos ou fora, reclamando, os fizermos com capricho, dedicação, carinho e amor...

Quando ao invés de ficarmos apáticos ou ansiosos, presos ao passado ou querendo viver o futuro rápido demais, nós nos focarmos no “presente” que é o melhor momento para estar...

Quando estivermos caminhando, no carro ou condução, ao invés de nos contaminarmos com o que não nos agrada no caminho, com a agitação do mundo, nos conectarmos com o que há de belo, mesmo no meio do caos. Sempre fico fascinada vendo belas arvores em meio a favelas ou em locais mal cuidados e mesmo assim, elas crescem e florescem lindamente, sem se perturbarem com o que as cerca, que exemplo para nós.

E assim seremos se a todo momento colocarmos nossa atenção sempre no melhor, no mais bonito, na lição a ser aprendida, no lado mais leve, mais ameno, mais amoroso de tudo e de todos os que nos rodeiam. Não que passaremos a ser insensíveis com os fatos e situações que acometem as pessoas e o mundo, porém se nos fixarmos nisto, ao invés de ajudar a mudar, estaremos na realidade “criando” mais disto, mas, quanto mais “olharmos” para o melhor de tudo, mais co-criaremos maravilhas para todos nós. Vamos pensar nisso?

Texto de: ValériaC

Imagem: daqui

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

SIMPLESMENTE SER (de ValériaC)

Ah! Como é bom quando passamos a viver em estado de humildade, de pura simplicidade!

Quando somos verdadeiros conosco e com o mundo, quando transitamos do lugar mais luxuoso ao mais comum, com o mesmo estado de espírito. Sem nos sentirmos superiores ou inferiores, porque apesar das diferenças socioeconômicas e culturais, no fundo todos somos seres humanos que estamos experienciando a vida neste Planeta, aprendendo entre tantas coisas, a amar mais e melhor.

Na verdade, pouco importa se somos reis ou plebeus, se exercemos grandes funções e cargos ou tarefas mais simples, desde que, o quer que façamos seja feito com carinho e amor, pois é isto que no final das contas, importa.

É tão bom quando há aceitação, quando não há necessidade de se competir, de se comparar, de querer ser o melhor, mais importante que os outros, porque dia virá que todos se darão conta que no fundo, somos “iguais”(não na aparência, mas em valor diante da vida), somos partículas do mesmo Criador, cada qual com seus dons e talentos, somos as diversas facetas Dele, portanto, ninguém é mais importante do que ninguém, todos são especiais, únicos e eu diria mais, divinos, cada um em sua própria “missão”.

Sei que ainda vai levar tempo para que a consciência coletiva se expanda a ponto de vivermos nesta harmonia, neste estado de espirito de tamanha leveza e equilíbrio, mas, de passos é feita toda uma jornada e feliz daquele que percebe tudo isso e trabalha em seu despertar, colaborando para que a Unidade plena de Paz e Amor Incondicional se estabeleça cada dia mais em si e no Universo...

Texto de: ValériaC

Imagem: daqui

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

ENCONTROS DE FAMÍLIA...( de ValériaC)

E foi num destes encontros de família, geralmente tão bons para todos se reverem, onde ocorreram situações interessantes que levaram Monica a observar[...].

Sempre que estas reuniões acontecem e no ambiente impera alegria, todos vão revivendo bons momentos vividos e tornam-se momentos maravilhosos de convívio e descontração entre todos. O problema começa, quando nestas festas, surge aquele que começa a relembrar o pior, o mais triste e sofrido que aconteceu em sua vida. Daí tudo vai ficando pesado, vai ficando uma aura de desconforto nas pessoas.

E este foi o momento que um tio, começou a lhe contar sua história, onde passou os diferentes tipos de necessidades e privações e foi mostrando-se como a criatura mais sofredora do mundo, que tanto teve que lutar para chegar nos dias de hoje, quase que como numa ladainha sem fim [...].

Monica, que não é uma pessoa insensível, escutou com muita educação e respeito o que ele foi dizendo, até porque sabe que todos nós passamos por muitas experiências na vida, sendo que algumas bem difíceis e marcantes, mas, ao mesmo tempo foi pensando: infelizmente há pessoas que gostam de arrastar e cultivar por toda uma vida, aquela sua imagem de “vítima”, de sofredor, aquele que teve uma infância difícil, de árduo batalhador e na medida que faz isso consigo, nem se dá conta que o que ele mais conseguiu foi gerar consequências emocionais e físicas para si, muitas vezes adoecendo, mesmo que tenha sempre sido bondoso e querido, o que era o caso de seu parente. E agora, depois de muitos anos que ela vinha estudando e observando a vida, percebia com clareza, o porquê de toda a trajetória de doenças que este tio passou ao longo dos anos. É que no fundo, lamentavelmente, ele fez de suas dores, seu maior troféu, seu maior orgulho e como faz mal ter este tipo de atitude.

Claro que ela não teve coragem de dizer nada disso à ele, já idoso. Compadeceu-se, não lhe cabia julgamentos de maneira alguma, mas, guardou a lição para si, para que se atentasse e evitasse ao máximo que este tipo de situação ocorresse em sua própria vida.

Feliz daquele que aprende a lição “observando” o caminhar dos demais, sem ter que viver o mesmo para aprender. E “sábio” é todo aquele que vive, enfrenta as situações que a vida traz e tira de cada uma delas, a sua lição e cresce com tudo isso e que não fica cultivando eternas feridas, achando que isso os torna mais vividos e mais merecedores de pena e admiração pelos demais. Na verdade, é admirável quando superamos cada fase da vida.

Afinal, a vida não para, a evolução menos ainda. Vamos nos atentar as vivências de cada momento, aprendendo o que elas nos querem ensinar e vamos partindo para outras lições. Não fiquemos empacados no passado, que foi válido sim e que muito nos ensinou, mas já passou e nosso espírito anseia por mais, por novas lições que possam enriquecer ainda mais a nossa vida , no aqui e agora.

Texto de: ValériaC

Imagem: daqui

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

LIVRES (de ValériaC)

Ah! Como é bom quando deixamos de criar expectativas com relação aos fatos e às pessoas. Nos dá um alívio...

Não, não estou falando de apatia ou muito menos de indiferença! Mas sim, de pura constatação: quando esperamos menos ou quando paramos de esperar que as coisas sejam do jeitinho que idealizamos ou que as pessoas ajam do que modo que achamos que deveriam agir, quão libertador isto pode ser!

Já imaginou o alívio, a leveza se os outros também não ficassem tendo expectativas sobre nós?

Sempre que assim agirmos, estaremos dando aos outros a oportunidade de serem livres para ser quem são, como são, de manifestarem-se de acordo com seu senso e coração.

Pode parecer utópico, mas na medida que formos nos conscientizando disto, começando as mudanças em nós, mais e mais pessoas começarão a mudar e juntos caminharemos na construção de um mundo pleno de Respeito, Paz, Amor e Unidade.

Já pensaram no quanto isso pode ser bom? Vamos fazer a nossa parte?

Texto de: ValériaC

Imagem: daqui

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails