quarta-feira, 21 de março de 2012

OLHOS (de ValériaC)

Olá meus queridos(as), estive ausente estes dias e minha ausência será o tema do post de hoje.

No final do sábado passado, entrou um cisco de madeira no meu olho esquerdo. Resumindo: tive que ficar com o olho medicado e tapado como uma pirata até segunda pela manhã, quando o oftalmologista retirou o cisco que tanto incomodava, mas o danadinho machucou bastante minha córnea e então tive que ficar ausente para que o olho se recuperasse. Mas conforme comentei com alguns amigos(minha gratidão pelo carinho e energias de cura que vocês me mandaram), iria neste tempinho, recolhida, ficar refletindo sobre o que andei fazendo ou sentindo e que metafisicamente acabou gerando este problema em mim.

Para quem não conhece muito sobre as causas metafísicas das doenças , vou estar colocando resumidamente o que significa quando temos problemas nos olhos, quem quiser se aprofundar pode pesquisar no livro “Você Pode Curar Sua Vida” , da Louise L. Hay e que alias recomendo sua leitura, na integra.

Olhos: representam a capacidade de ver claramente o passado, presente e futuro e problemas neles pode significar que o individuo não gosta de algo que vê em si ou na própria vida ou na família.

Astigmatismo: medo de ver realmente a si próprio.

Catarata: incapacidade de olhar à frente com alegria; o futuro lhe parece sombrio.

Conjuntivite: raiva e frustração diante do que está vendo na vida.

Estrabismo: não querendo ver o que está lá fora.

Estrabismo divergente: medo de olhar para o presente .

Glaucoma: recusa em perdoar, pressão exercida por mágoas duradouras, derrotado por tudo.

Hemorragia ocular: raiva e frustração; não quer ver.

Hipermetropia: medo do presente.

Miopia: medo do futuro; não confia no que está à frente.

Diante disso, fico até feliz do meu caso serem apenas ciscos que arranharam meu olho rsrs.... mas ainda assim sigo trabalhando na sua causa raiz, porque parece algo insignificante, um reles cisquinho, mas como é incomodo, ver o mundo com apenas um olho é bem cansativo também, claro que é melhor um do que nenhum, mas quando voltamos a ver naturalmente com os dois olhos é algo tão bom, uma sensação de que o mundo se pintou de um novo colorido, de uma vivacidade renovada.

Entendamos que se algo acontece conosco não temos que ficar nos culpando por isso, mas vamos parar e analisar o que podemos trabalhar interiormente que possa ajudar a nos curar mais rápido ou que possa nos evitar transtornos, sejam eles quais forem.

Nestes anos todos que venho estudando a vida e estes temas, tenho notado que a falta de alegria, de aceitação, perdão, raiva mal trabalhada, querer controlar tudo e todos, medos diversos são devastadores em nós, causando com o decorrer do tempo doenças muitas vezes, gravíssimas, como as degenerativas, as autoimunes, doenças cardíacas, hipertensão, diabetes e como mostrei hoje, nos olhos também.

Parece mágica, mas quando bem trabalhamos tudo isso em nós, quando mudamos alguns padrões mentais que trazemos a muito tempo e que tantas vezes nos trouxe doenças e tantos distúrbios mais e os substituímos por novos padrões, desta vez, mais positivos, eficientes, tudo muda. Então, vamos olhar a vida com olhos mais compassivos, mais amorosos, vamos dar valor em cada detalhezinho do nosso ser como um todo: corpo, mente e alma.

Vamos viver a cada novo momento presente com mais doçura, mais alegria, vamos dar risada, cair na gargalhada, vamos acreditar que somos capazes, que nascemos para sermos felizes, vamos relevar mais, perdoar, aceitar a nós mesmos e os demais, vamos viver de forma mais leve, bailar na canção da vida, encarando que os ritmos mudam e nós juntamente com eles vamos acertando nossos passos, acreditando que viver é seguro, vamos trabalhando nossos laços, semeando paz, ternura, compartilhando amizades, semeando bondade, vibrando harmonia e amor.

Vamos dar valor nas nossas vidas, na saúde que temos, na certeza que a gratidão e a alegria são caminhos certeiros para que as nossas melhores co-criações(“sonhos”, para quem preferir) possam se tornar realidade. Bem vivermos assim, será benéfico para nós, como para os que convivem conosco.

Enfim, vamos carinhosamente cuidar do que cultivamos interiormente porque o exterior é seu mais puro reflexo. Literalmente somos autores a escrever a nossa história, pintores a colocar nela as cores que escolhermos, músicos a dar o tom, a compor a nossa própria melodia. E não nos esqueçamos: o que tem muito dentro, transborda para fora...

Eu?... vou sinceramente ficar ainda mais atenta, reforçar minhas melhores atitudes, porque sei que isso vai evitar em muito, problemas na minha vida e mesmo que eventualmente eu “escorregue”, leve um sustinho da vida, mesmo que as águas se agitem, os ventos soprem com mais força, logo me interiorizo, me centro, me re(encontro), retomo meu rumo, seguro firme meu leme, buscando me levar a navegar em águas mais calmas, no sopro brando do vento, vou seguindo a luz do Sol, ora da Lua, o arco-íris, vou pintando a vida com cores de felicidade, a aspergindo com perfumes de flores, com toques de brisa suave, buscando viver com a mais pura serenidade e amor...

Texto de: ValériaC

Imagem: daqui

segunda-feira, 12 de março de 2012

PRA QUEM QUISER SABER DE MIM... (de ValériaC)

É interessante quando pensamos em quem somos, no que aparentamos, em como nos vemos, no como cada um nos vê [..].

Costumamos julgar, classificar as pessoas de acordo com o lado que elas nos mostram mais ou o que nos chama mais a atenção, porém, muito além(e distante) do que na realidade cada um é de fato, há o que nós percebemos delas e que está diretamente relacionado a um referencial nosso, sob uma lente muito pessoal, ligado a toda nossa história de vida e experiências diversas que tivemos e neste nosso ver, indubitavelmente podem haver algumas distorções. Na verdade é o nosso ego quem vê e “interpreta” a seu próprio modo. Sob este ângulo, eu poderia dizer que cada um de vocês, me percebem de uma maneira particular.

Tem gente que olha pra mim e pode me ver como pretensa dona da verdade(o que literalmente sei que não sou) , outros podem me perceber como arrogante, indiferente, outros como iluminada, uns veem somente meu lado sério, centrado, equilibrado, outros me veem conselheira, uma pessoa crítica, doce, dura, amiga, mas quase sempre se esquecem que somos cheios de “lados” e ainda assim, somos a mesma e única pessoa e acabam nos rotulando, mesmo que no seu melhor sentido, baseados em partes nossas, não num todo que realmente somos.

Quem me conhece bem, sabe que sou um pouco de tudo rsrrs e quem disse que a gente tem que ser só de um jeito o tempo todo? Ser constante, sem defeito, como ser imutável se vivemos o impermanente? Somos seres que evoluem, despertam, portanto, mudam, com consciência, com coerência, mutáveis física e espiritualmente, por natureza.

Às vezes fico brava, como todo mundo, apesar de ser muito calma quase sempre, extremamente paciente(meu marido diz que sou e muito), às vezes eu exagero em ser politicamente correta, mas logo tento achar a justa medida para não cair no exagero, mas também adoro alegria, gosto de leveza, de ser livre, de não seguir formalidades ou regras, apesar de segui-las quando a situação “pede”, gosto de andar pela natureza, descalça, comer sem talheres rsrs, sou bastante eclética e eu diria até que bem moderna no meu gosto musical, amo a calmaria das sinfonias e tenho apreciado muito da alegria de um forró universitário, um convite à dança rsrsrs... sou séria, mas sou brincalhona, sou o tipo de pessoa que ri até nos momentos mais delicados, porque sabe que tem momentos da vida que só nos resta rir, não é mesmo? Aprendi que não podemos levar a vida tão à sério, que bom humor é sinal de inteligência, seriedade em excesso nos limita e quando sorrimos, abrimos mais os caminhos, é um bom meio de conseguirmos calma, equilíbrio nos descontraindo e assim é que as soluções aos poucos nos aparecem.

Sou um pouco de tudo, afinal, sou mulher, caleidoscópica, às vezes monocromática, às vezes todas as cores, sensível, ponderada, intensa, às vezes chorona, noutras, piadista, falante, calada, não sou de um único jeito, sou como as estações do ano, só que às vezes todas no mesmo dia, sou flor, mas sei que há momentos que sou espinho, sou a leveza no voar da borboleta, às vezes, nuvem carregada, sou Sol, sou Lua, sou o frescor da chuva ou a força da tempestade. Sou além da dualidade. Sou como sou, enfim, aprendi a seguir o meu coração... *

Não justifico meu comportamento, digo o que penso, o que sinto, com jeito, não tenho como controlar nada sobre o que de mim pensam ou sentem a respeito, simplesmente vou vivendo o melhor que posso , do jeito que sei, sem arrependimento, plantando todo o amor que carrego no meu peito, porque minha alma quer ser cada dia mais livre, meu espírito assume a cada instante mais, a soberania sobre o meu corpo e vou deixando transparecer quem eu simples e naturalmente sou.

Porque disse tudo isso? Pra serem como sou?

De forma alguma.

Que estas minhas palavras sejam sentidas como um estímulo à todos vocês cada vez mais serem QUEM VERDADEIRAMENTE SÃO, que vocês permitam suas essências dominarem seus seres, pois na medida que assim o conseguirem, sentirão mais paz, harmonia e alegria em seus dias.

Texto de: ValériaC

*este trecho da prosa, virou poema livre AQUI, neste meu outro Blog.

Imagem: daqui

segunda-feira, 5 de março de 2012

O QUE FAZEMOS CONOSCO... (de ValériaC)

Se tem coisa que me impressiona, é ver o quanto os seres humanos são magoáveis e tem sérios problemas em digerir as diferentes situações que ocorrem em suas vidas, sejam elas “trazidas” por outras pessoas ou pelas circunstâncias.

E neste mal reagir, nesta “indigestão” ficam arrastando às vezes, por toda uma vida, um monte de lixo emocional, pois não conseguem perdoar de verdade o que lhes fizeram, ficam se colocando na posição de vítimas sofredoras que não mereciam passar por aquilo e por fim ao deixarem seus egos falarem mais alto e os dominarem, carregam pesos desnecessários e o pior, acabam criando problemas emocionais, doenças físicas e ainda ficam sem entender o por que tem Diabetes, problemas cardíacos, hipertensão e tantos outros problemas.

Dai, então o grande vilão é a genética, a alimentação ou ficam achando que tudo foi causado pela “vontade de Deus”, ou por culpa do desgosto que alguém lhes causou na vida, ou seja, o culpado sempre é algo ou alguém exterior a eles, mas não conseguem perceber e admitir que na verdade, quem mais nos faz mal, somos nós mesmos, quando não conseguimos lidar adequadamente com que nos vem de fora, por muitas vezes, mantermos aberta uma grande ferida, chamada: orgulho. E se ficamos doentes, na verdade somos nós os maiores responsáveis, porque não tivemos a humildade de deixar o ego de lado, por não perdoarmos as limitações alheias ou por não aceitarmos a forma que cada um percebe a vida, tão pouco respeitando as diferenças de pensar e agir de cada um, o que é uma “infantilidade”, uma imaturidade e pode custar caro a nós mesmos. Somos todos falíveis, então como exigir perfeição absoluta dos outros, se sequer encontramos muitas vezes em nós?

É preciso que pensemos bem nisto, para o nosso próprio bem, pois na medida que lidamos melhor com as situações da vida, mais nos trazemos equilíbrio e consequentemente mais saúde.

Não percamos a oportunidade da lição, estejamos conscientes de que tudo o que fazemos conosco e com os outros gera consequências, porém a medida que nos abrirmos mais à empatia uns com os outros , mais teremos chance de nos sentirmos felizes conosco e com as pessoas que nos cercam, pois haverá mais respeito e aceitação. Não prendamos em nós o que nos faz mal, liberemos tudo isso, deixemos o passado passar. Não percamos tempo “brigando” mentalmente, não nos prendamos em coisas pequenas, pois, somos capazes, se assim o quisermos de ir muito além das pequenezas e seguirmos a vida com muito mais alegria e leveza. A escolha está no aqui e agora, em nossas mãos, sempre.

Lembremos que na realidade, os problemas não estão no exterior (pessoas e situações), mas sim na forma como processamos, digerimos interiormente o que nos vem do exterior e acabamos gerando as mais diversas consequências em nós e em nossas vidas.

Texto de: ValériaC

Imagem: daqui

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails