terça-feira, 10 de julho de 2012

A VIDA NOS ENSINA (de ValériaC)


A vida nos ensina a cada instante, especialmente de forma mais suave, para todo aquele que se permite perceber cada detalhe, com os olhos de alma.

Nos mostra tão claramente como a luz do Sol, que nossa vida se constrói sobre o que vibramos a cada dia, urdida no que cultivamos interiormente em nós.

Que ter paz, é busca interior, é viajar a procura de nossas verdades, mesmo que muito distintas dos demais e apesar de tudo o que possa nos cercar exteriormente. A nós, cabe equilibrarmos  nossa energia, vermos  onde colocamos a  nossa sintonia.

Que ter momentos de alegria, é bom, mas não nos torna donos da verdadeira felicidade, que muito longe de ser uma euforia, a ser vorazmente perseguida,  é uma constância calma da alegria, consequência natural de nossas vibrações mais frequentes. Felicidade é algo que não requer motivos para ser sentida, pois vem da aceitação, da simplicidade, da naturalidade  que compomos nossas maiores riquezas, não aquelas materiais, mas as mais preciosas, as que  emanam de nossas essências.

Que ninguém é centro do universo, mas somos partes que compõem um TODO, portanto não há quem seja mais importante, todos o são, cada qual contribuindo a sua própria maneira, com sua maturidade e entendimento.

Que podemos chorar, para aliviar nossas tristezas, mas que sorrir sempre será o melhor remédio, apesar das tristezas, pois tudo é passageiro, são lições provisórias, experiências para  o nosso ser, despertar. Escolhamos sempre que possível, sorrir, pois   motivos não faltam, se bem olharmos  à nossa volta.

A vida nos mostra a cada instante que podemos escolher, sim podemos, mesmo quando supomos que não, o modo como teremos nossas experiências e lições, se mais carregadas de privação, dor, perdas ou se suavizadas pela aceitação do momento presente, pela inteligência e amor.  Somos os criadores do nosso “destino”, ela nos deixa  navegar em seus mares, atravessar por suas ondas, no ritmo que quisermos, no caminho que escolhermos, com as lições que nosso espírito mais sentir que necessita passar, mas o mais belo de tudo isso é que nada é em vão, tudo nos faz ir ao encontro de quem verdadeiramente somos.

A cada  novo dia temos nas mãos, a oportunidade de escolher o que iremos plantar, onde iremos focar nossa atenção, em como vamos lidar com toda pessoa e/ou situação. Ao raiar do dia, somos como uma folha de papel em branco, pronta para receber novas cores, linhas, letras, fazermos uma nova criação. Que nos lembremos disso, pois imprevistos acontecem, mas a forma como lidamos com cada um deles faz toda a diferença na obra final, no que iremos colher.

E que quando chegar o anoitecer, ao deitarmos a cabeça no travesseiro, analisemos, corrijamos algumas rotas,  mas que cada dia que passe,  nos sintamos felizes, cheios de alegria e amor por termos feito o melhor de nós, que tenhamos conseguindo colocar em prática tudo o que já aprendemos na teoria, que sintamos que estamos aperfeiçoando nosso pensar, nosso sentir e agir, fazendo valer nossa vida.

Texto de: ValériaC 
Imagem: Google

terça-feira, 3 de julho de 2012

TRABALHAR MUDANÇAS, É PRECISO...(de ValériaC)


Há  pessoas, inclusive que se dizem ‘religiosas’,  que pregam uma coisa, na teoria,  mas basta lhes acontecer algo que não gostem ou não aceitem e agem de maneira completamente diversa, na prática.

Pregam o puritanismo, pois no fundo têm mentes distorcidas e em tudo colocam maldade. Lamentavelmente  estão longe de viverem suas vidas percebendo  a tudo e todos com a pureza que pode ser cultivada  no coração.

Aparentam bondade, mas são os maiores carrascos, inclusive  com os da própria casa. Aparentam tolerância, mas, o mínimo fato, já lhes tira o bom humor e a paciência.

Cobram atitudes dos outros, que tantas vezes, não as tem. Apontam o dedo julgando e criticando, mas se negam aceitar cada um como é, com suas qualidades e limitações.

Dizem amar, mas estão muito longe de saber o que é AMOR. Para estas pessoas só há amor mediante condição. O ‘se’, é determinante, só amam ‘se’... e AMOR não requer condição, mas sim, incondicionalidade.

Dizem que há de se perdoar os ‘erros’ alheios, mas só da boca pra fora, parece que não sabem conceder perdão,   desrespeitam, maltratam, justificando seus comportamentos como forma de ensinar, via punição.

Com absoluta  certeza, todo grande Mestre que por aqui passou, vou citar em especial,   Buda e  Cristo, nunca  agiriam desta forma.  

Há muita incoerência nestas atitudes e sinceramente creio que trabalhar mudanças, é preciso... gostaria que estas pessoas repensassem suas vidas, refletissem se o modo que agem  leva em conta a empatia, o perdão, a aceitação, o amor, a compaixão, que tivessem a humildade e a sinceridade  de perguntar a si mesmo: “Será que ...seja o Mestre que for...agiria assim, como estou agindo nesta situação e/ou com esta pessoa?”

Creio que se mudanças não ocorrem por maturidade e escolha própria, podemos encontrar nestes Mestres,  grandes exemplos, que em muito podem inspirar  a termos atitudes mais compassivas e amorosas, a termos respeito para com todos, fazendo da vida, uma  real oportunidade de despertar e crescer.

Vivemos num mundo ainda com imperfeições, mas também com infinitas perfeições e belezas e  se quisermos, podemos aprender a   perceber cada pequeno detalhe e  sutileza, de outras maneiras,  procurando  sempre ajustar as lentes do nosso olhar e desta forma, conseguiremos   ver o lado mais ‘perfeito’, mais belo, doce  e benéfico de tudo e todos.

Ajustar ‘nossas lentes’, sejamos religiosos ou não,  é  exercício que  cabe à todos nós, a cada novo dia que nasce, a cada lição que a vida nos traz e tenho certeza que quanto mais  aprendermos a observar o mundo com os olhos do coração,  mais  sentiremos  leveza, paz,  imensa alegria, aceitação e desde agora reinará harmonia e amor. Está em nossas mãos, fazermos o mundo  que tanto queremos, sendo o melhor que podemos ser !

Texto de: ValériaC (em 01/07/12)
Imagem: Google

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails