segunda-feira, 26 de maio de 2014

ILUMINAÇÃO (de ValériaC)

Já fui muito zen, muito serena, em tempos que vivia isolada no  meu mundinho particular,  até o dia que a vida me empurrou para vive-la de fato, então tive que aprender a  fazer as pazes com cada um dos aspectos que SOU, foi aí que eu percebi que:

É infinitamente  mais fácil chegarmos à Mestria, à iluminação,  nos isolando do mundo e seus desafios, nos distanciando dos desejos, dos prazeres, do convívio humano.

Engana-se quem acha que se afastar das “tentações”, vai torna-lo “santo”. E qual a utilidade em ser santo? Penso que temos sim,  é que ser verdadeiramente, nós mesmos e vivermos de acordo com isso.

 O  problema não está no que percebemos fora, mas sim, no quanto de tudo isso, fica  impregnado dentro de nós mesmos.

O problema não é a vaidade,  do cuidar de si, mas sim no quanto eu dedico do meu tempo, com  aparências transitórias, sem cultivar tudo o que é eterno no  meu ser. Não devo ser escrava do meu corpo, das minhas formas, mas de jeito algum, vou negá-lo ou  mesmo esconde-lo em roupas disformes.

O problema não são as comidas, nem as bebidas, mas é o quanto eu esqueço que o alimento  é feito somente para nutrir, dar energia e não para me empanturrar e/ou me embriagar.

O problema não é o dinheiro, mas como eu lido com esta energia, na sua falta ou  na sua abundância.

O problema não é o sexo, o relacionamento físico entre as pessoas, mas o quanto isso possa se tornar o foco principal da atenção na vida de cada um.

Hoje observo que  para atingirmos a Mestria, a iluminação em nós e trazê-la à tona, temos que fazer o caminho oposto do isolamento, temos que nos permitir experienciar de fato, a VIDA. Um mestre ou  iluminado,  vive sem medo de errar e  jamais se  culpa, porque entendeu que na vida, não há erros, há lições  e paga o preço de cada uma de suas escolhas, com alegria.

Não há regras ou formulas para se fazer um caminho, cada um segue o seu e faz sua própria história.

E no  meu?  Simplesmente decidi que  não quero viver nada de mais e nem de menos,  meu espirito quer ser livre,  feliz... então,  sou paciente comigo e sigo  buscando  o  grande diferencial   nisso tudo:   conseguir pairar  na linha do  EQUILÍBRIO,  em cada uma das  minhas vivências.  

Texto de: ValériaC (em 25/05/14)
Imagem: Google

**ESTE TEXTO PODE SER COPIADO, EM SITES SEM FINS LUCRATIVOS, DESDE QUE DADO OS DEVIDOS CRÉDITOS À:

ValériaC (docefilosofia.blogspot.com.br) ou o link da  postagem

terça-feira, 6 de maio de 2014

MARIAS...(de ValériaC)


MARIAS...(de ValériaC)

E assim vivia Maria...
como tantas Marias
mal vivem seus dias...
Amargava no silêncio,
esvaia-se em tristezas,
sentia-se um peixe
se debatendo
numa poça de lama...
em busca de um sopro fresco
de ar, de vida...
Jogava-se na introspecção
na vã tentativa  de amenizar
as dores da alma, do coração,
fugindo de suas tormentas,
ansiando  libertação...
Vestia sorriso nos lábios,
mas por dentro, lágrima escorria...
Tudo o que ela queria
era amar... ser amada,
 sorver a alegria de cada dia...
só não sabia como
e se, conseguiria...


E assim é a vida... pessoas  buscam o que acham que lhes falta, tentam mesmo que  à  cabeçadas, mudar suas realidades, mesmo que tantas vezes não saibam nem para que lado correr, que caminho escolher, para tornarem seus sonhos, realidade. Todo mundo quer ser feliz! E  na verdade não há acertos ou erros, neste querer,  há sempre caminhos. Alguns nos levam ao que queremos, outros, à becos sem saída e assim vamos vivendo e ampliando nossas consciências.

E por outro lado, ficam os tais seres humanos(os chamados animais racionais???)  que não ajudam e ficam julgando o comportamento dos demais, infelizmente, limitados  em parâmetros diminutos de  julgamentos, baseados única e exclusivamente em olhares que somente captam a  superficialidade das situações e/ou pessoas.

Tão fácil julgar, criticar e sentenciar os outros, sem estar na pele alheia, não é mesmo? Ninguém deveria julgar ninguém!!! Quase sempre não é justo, ninguém conhece o tamanho do fardo de cada um. Será que nunca viveremos  num mundo  com menos julgamentos? Será que nunca aprenderemos a calar mais, para não falar do que realmente não sabemos?

Ah seres humanos, ditos racionais, talvez devessem ter umas aulas com a natureza, com os animais(aqueles... classificados como irracionais)...acho que iam aprender tanto. Creio que não seja por acaso que cada dia mais, as pessoas tem como melhores amigos, seus animaizinhos, afinal,  são verdadeiramente carinhosos, afetuosos, sinceros num nível muitas vezes, superior do que os próprios seres humanos para com os da mesma espécie.

Quando vejo tudo isso, escancaradamente nos meus olhos,  tenho vergonha de ser humana, de ver o quanto nos perdemos em julgamentos, o quanto criticamos demais... amamos e respeitamos de menos... cansei!!! Acho que vou virar bicho do mato!

Texto de: ValériaC (em 06/05/14 10:50 hs)
Imagem:  ValériaC (arquivo pessoal)


**ESTE TEXTO PODE SER COPIADO, EM SITES SEM FINS LUCRATIVOS, DESDE QUE DADO OS DEVIDOS CRÉDITOS À:

ValériaC (docefilosofia.blogspot.com.br) ou o link da  postagem

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails